A aprendizagem do Passe na Iniciação e na Especialização ao Handebol – Diferenças Significativas

Geralmente, quando solicito que alguém caracterize o jogo de handebol, ouço algo assim: “É um jogo no qual a equipe deve passar a bola para depois arremessar a gol”.

A ideia que associa o handebol ao passe é quase que um senso comum entre alunos, atletas e professores.

Considerando, porém, o real objetivo do jogo, a utilização do passe pode não ser tão relacionada à quantidade de passes que uma equipe realiza, mas sim à qualidade do passe realizado. Continuar lendo “A aprendizagem do Passe na Iniciação e na Especialização ao Handebol – Diferenças Significativas”

Sensibilização ao conceito tático da finta e ocupação de espaços vazios para a iniciação do Handebol (até 12 anos)

Tendo como base o reconhecimento dos espaços vazios defensivos, este artigo visa presentar um exemplo de jogo que pode ser aplicada até os 12 anos de idade (mas que pode ser aplicado também em idades maiores) e que pode estimular a aprendizagem simultânea dos meios táticos individuais ocupação de espaços vazios e finta, tão importantes para a iniciação ao handebol. Mamãe da Rua com 3 … Continuar lendo Sensibilização ao conceito tático da finta e ocupação de espaços vazios para a iniciação do Handebol (até 12 anos)

Plano de Aula: Ensinando a progressão sem bola e ocupação dos espaços vazios

Neste texto darei alguns exemplos de atividades voltadas para a iniciação à modalidade, em uma sessão de treino/aula. Sabemos que dependendo da idade essas atividades devem ser mais ou menos voltadas para o lúdico, com mais brincadeiras do que exercícios fechados. O importante nas atividades são os objetivos que devem estar voltados ao aprendizado de aspectos da lógica do handebol, como as infiltrações, a procura … Continuar lendo Plano de Aula: Ensinando a progressão sem bola e ocupação dos espaços vazios

Jogando para Aprender o Retorno Defensivo I – Jogos para a Iniciação

Caros colegas, venho por meio deste artigo, descrever algumas etapas possíveis de serem construídas para a aplicação do conceito de retorno defensivo dentro de um modelo de jogo (ou seja, como uma cultura de equipe, que não depende de acertos táticos ou estratégicos, mas que está incorporada dentro das construções coletivas da equipe).

Ressalto a questão do modelo de jogo e da aprendizagem como algo cultural dentro da equipe, pois dentro do que venho lendo e estudando sobre a aplicação da inteligência tática dentro do ambiente de jogo, falar como a equipe deve fazer o retorno defensivo não basta, se esses conceitos não forem sistematizados dentro de um processo de ensino aprendizagem.

A fala na preleção: “quando perdermos a bola você marca essa, você abafa o goleiro e você volta para a defesa”, por exemplo, não basta para uma boa aplicação prática.

Logo, construir um modelo de jogo é necessário para que algumas referências de jogo estejam intrínsecas ao jogar coletivo.

Dessa forma, esse artigo será bastante ilustrativo, buscando descrever pedagogicamente uma sequência de jogos muito úteis para a construção do “jogar coletivo” dentro de um modelo de jogo da equipe, tendo como ênfase o retorno defensivo.

Conceituando Retorno Defensivo: Continuar lendo “Jogando para Aprender o Retorno Defensivo I – Jogos para a Iniciação”

Tomada de Decisão e Antecipação – Abordagens Metodológicas no Ensino do Handebol

Trabalhar a tomada de decisão e a capacidade de antecipação de nossos alunos/atletas é um parâmetro fundamental para um processo de ensino aprendizagem de qualidade.

Após o período de centração excessiva na bola, que configura segundo Garganta (1995) a fase do jogo anárquico (que poderíamos dizer que seria comum até os 6, 7 anos de idade), as decisões passam a ser tomadas também em função de colegas e adversários, além da manutenção da objetividade de se fazer gols (e não sofrer gols), possibilitando que as primeiras decisões táticas de grupo e coletivas em situação de jogo sejam tomadas.

Após adentrar nessa fase de aprendizagem (que configura níveis de acesso ao jogo descentrado, estruturado e elaborado, segundo Garganta, 1995), estimular a tomada de decisão e a antecipação é essencial, mesmo em idades adultas.

Algumas propostas em literatura já são encontradas. A obra Iniciação Esportiva Universal (de Greco e Benda, 1998), já fala dos “jogos situacionais”, no qual uma determinada situação é “recortada do jogo” e é treinada, dentro de parâmetros relacionados à tomada e decisão do principal agente do jogo, que será o protagonista do processo de ensino-aprendizagem-treinamento.

Seria como criar uma situação controlada, na qual um armador Continuar lendo “Tomada de Decisão e Antecipação – Abordagens Metodológicas no Ensino do Handebol”

Plano de Aula para Ensino do Handebol – Jogar com, como e contra o Pivô

Venho, a partir de hoje, descrever alguns planos de aula. Planos de aula, como o nome diz são apenas “planos” ou seja, uma estratégia montada de forma a preocupar-se com a sistematização de ensino que, assim como uma proposta currícular, deve ser maleável de acordo com o andamento da aula/treino, podendo sofrer, ou não, variações e alterações.

A proposta que descrevo aqui terá como base alguns princípios importantes no que tange aos aspectos metodológicos (ênfase no jogo como forma de ensinar) e didáticos (orientando para a descoberta guiada, contruída em conjunto com o professor, orientada para um determinado conteúdo).

Plano de Aula

Tema – Jogar com, como e contra o pivô

Conversa Inicial – Falar da aula passada, e orientar de maneira breve que os alunos se organizem livremente em trios. Continuar lendo “Plano de Aula para Ensino do Handebol – Jogar com, como e contra o Pivô”

Considerações Didático-Pedagógicas para a Aprendizagem do Handebol através de Jogos

Inicío este artigo trazendo algumas considerações importantes para quem utiliza o jogo como uma ferramenta de ensino, sistematizando jogos para que o processo de ensino-aprendizagem seja atingido.

Abordarei aqui três principais etapas que devem ser respeitadas para que jogar seja capaz de ensinar.

Chamarei de conceito o objetivo de aprendizagem que queremos atingir num determinado momento de nosso planejamento (pode se um fundamento técnico como um passe, um meio tático como as penetrações sucessivas, ou mesmo um determinado subssistema de jogo ofensivo ou defensivo, como uma defesa 3:3).

ETAPA 1 – Aprender sem saber que está aprendendo: aprendizagem incidental Continuar lendo “Considerações Didático-Pedagógicas para a Aprendizagem do Handebol através de Jogos”

Recomendação de Leitura e Compra: Livro Handebol: Âgon – O Espírito do Esporte

Para comprar o livro, basta acessar o link: http://www.odysseuslojas.com.br/agon/handebol.html Descrição Rápida O professor Jorge Dorfman Knijnik mostra que, ao contrário do que muitos pensam e propagam por aí, para atingir a meta do adversário é preciso muito mais do que ser forte, é preciso ser inteligente. Assim, o handebol moderno, explicado em detalhes neste livro, é um jogo que nasce e evolui sob o signo … Continuar lendo Recomendação de Leitura e Compra: Livro Handebol: Âgon – O Espírito do Esporte

Propostas para Competições no Handebol de Base I

Olá Amigos, feliz 2010 a todos.

Gostaria de discutir inicialmente algo que penso ter tudo a ver com esse começo de ano.

Muitos de nós participaremos, nesses primeiros meses do ano, de reuniões de ligas e federações, com a finalidade de discutir o cronograma competitivo, regulamentos e modelos de disputa dos respectivos campeonatos.

E, no mesmo ambiente em que se discutem as propostas cronológicas para categorias adultas, juniores e juvenis, estão inclusas as discussões sobre as categorias cadete, infantil, mirim e pré-mirim.

Mas o qual é o problema? Você deve pensar. Não seria este um momento oportuno para discutir o calendário competitivo de todas as categorias num mesmo momento?

Claro! Oportuno é. Mas essa oportunidade, muitas vezes, deixam despercebidos grandes problemas relativos ao processo de formação pedagógico-competitiva de jovens e crianças que compõe as categorias de base. Continuar lendo “Propostas para Competições no Handebol de Base I”