Post fixo

Pai, deixa a criança se divertir

Estava com minha equipe jogando uma partida de uma liga local formada pelos próprios treinadores das equipes envolvidas. Queríamos, com esta competição, ampliar a bagagem competitiva das crianças que jogavam pouco nas outras competições em que participávamos. Nossa preocupação era oferecer um espaço de protagonismo para estas crianças, para que elas se mantivessem praticando handebol. O formato desta liga era bem diferente das competições convencionais, … Continuar lendo Pai, deixa a criança se divertir

Post fixo

Crônicas Pedagógicas: “Faça o que digo e faça o que eu faço”

Todos temos boas intenções, ao menos no nosso discurso educacional. Não tenho dúvidas disso. Todo treinador que conheço afirma “faço isso, pois sei que é o melhor para meus atletas”, afinal, temos uma firme crença em nossos atos. Cremos fazer sempre o melhor, caso contrário, por que lidar com o processo de ensino, vivência, aprendizagem e treinamento do handebol? Neste sentido, quem de nós, quando questionados … Continuar lendo Crônicas Pedagógicas: “Faça o que digo e faça o que eu faço”

Crônicas Pedagógicas: A culpa é das atletas

Um pouco sobre a visão empirista no handebol: “Eu estou fazendo a minha parte, vou lá dou meus treinos, sei o que tenho que ensinar, dou treino de handebol há muitos anos. Agora, se vocês não são capazes de aprender, o problema é de vocês.”. Continuar lendo Crônicas Pedagógicas: A culpa é das atletas

Crônicas Pedagógicas: O milagre que vem de fora

Mais uma crônica de Duda Bernardi.

“O Diretor reuniu todos que iam jogar, eu e o Biel ficamos de fora da roda, e apresentou os dois caras para o time. Disse que eles viriam reforçar a equipe, porque o clube tinha um nome a zelar e era mais do que necessário sermos campeões desta etapa para deixarmos uma boa imagem. Tínhamos que ter resultados iguais ao do time adulto que sempre vencia o estadual”. Continuar lendo Crônicas Pedagógicas: O milagre que vem de fora

Crônicas Pedagógicas: Uma contra todas!

Dia desses, estava vendo um jogo de uma competição de handebol da região em que vivo. Em quadra, duas equipes femininas com crianças até 14 anos de idade. De um lado, uma equipe bem montadinha, com uma proposta defensiva diferente daquelas que eu costumeiramente vejo aqui no meu pedaço. Era uma estrutura 6:0, mas com um funcionamento muito ativo. Quando a bola chegava nas mãos … Continuar lendo Crônicas Pedagógicas: Uma contra todas!

Crônicas Pedagógicas: A caridade que segrega…

Vocês conhecem a Joana e Mariana? Não? Então vamos às apresentações! Joana é uma garota de 15 anos de idade, de classe média alta, vive na região central de uma grande metrópole e estuda num dos melhores colégios preparatório desta cidade. Mariana, também de 15 anos, vive na mesma metrópole, porém na região noroeste, local de IDH baixo e de grande vulnerabilidade social. Ela estuda … Continuar lendo Crônicas Pedagógicas: A caridade que segrega…

Saldo de gols no handebol: até quando nossos jovens serão reféns?

A participação em competições esportivas possui enorme apelo para a permanência dos jovens na prática esportiva, bem como para que valores sejam inseridos na vida destes jovens atletas. Porém, competir não é bom nem ruim em sua essência, sendo a experiência vivenciada em sua prática que pode ser boa ou ruim para estes jovens, dependendo da autopercepção que eles tenham destas experiências.

Treinadores possuem um papel fundamental neste processo, afinal, competir é um momento de seleção de quais jogadores de fato atuarão no jogo. Isso não será um grande problema se valores como merecimento, dedicação e frequência em aulas e treinos sejam um parâmetro balizador para estas escolhas. Isso, parte do treinador. Continuar lendo “Saldo de gols no handebol: até quando nossos jovens serão reféns?”

Dando voz aos treinadores: pesquisa sobre a concepção tática do handebol

Convidamos os treinadores de handebol que nos seguem a preencherem a pesquisa abaixo. Se preferir, você pode acessar pelo link (https://goo.gl/forms/ztVnANuIksgvNS4i1) ou preencher diretamente no formulário abaixo. Indique esta pesquisa a um colega treinador, assim, nossa pesquisa pode se aprofundar ainda mais. Um abraço! Continuar lendo Dando voz aos treinadores: pesquisa sobre a concepção tática do handebol

Link externo para Qual é a sua opinião sobre o uso da nova regra do 7o jogador em categorias de 11 a 14 anos?

Qual é a sua opinião sobre o uso da nova regra do 7o jogador em categorias de 11 a 14 anos?

Treinadores e professores, deixe-nos sua opinião. Dura menos de 10 minutos! Obrigado pela sua opinião! Continuar lendo Qual é a sua opinião sobre o uso da nova regra do 7o jogador em categorias de 11 a 14 anos?

A regra do sétimo jogador de quadra e as competições de handebol para crianças e jovens: reflexões

Os jogos olímpicos Rio 2016 foram palco para a implementação de novas regras para o handebol, todas elas aplicadas ao me ver com êxito do ponto de vista regulamentar. Porém, de imediato, uma situação ficou evidente: como serão estas aplicações nas competições de crianças e jovens? Até os 14 anos de idade, muitas competições optam pela utilização de regulamentos adaptados ou regulamentos técnico-pedagógicos e, destacam-se quase … Continuar lendo A regra do sétimo jogador de quadra e as competições de handebol para crianças e jovens: reflexões