Explorando Pedagogicamente as Regras do Handebol – O Manejo e o Deslocamento com a Bola

Uma das dúvidas mais freqüentes nos processos de ensino-aprendizagem do handebol está nas possibilidades de manejar a bola e deslocar-se com ela. Essa dúvida geralmente centra-se nas seguintes questões: “Quantos passos posso dar com a bola?”; “Quantas vezes posso ‘quicar a bola’ (driblar)”; “O que é ritmo trifásico”; “O que é duplo ritmo trifásico?”. A fim de solucionar parte dessas dúvidas, segue abaixo a descrição exata da regra oficial, que com certeza deixará algumas dúvidas, que podem ser esclarecidas com perguntas ao final da leitura na seção “comentários” logo abaixo do artigo.

Continuar lendo “Explorando Pedagogicamente as Regras do Handebol – O Manejo e o Deslocamento com a Bola”

Explorando Pedagogicamente as Regras do Handebol – A Equipe, o Goleiro e a Área do Goleiro

Continuando o estudo que visa explorar pedagogicamente as regras oficiais do handebol, comentarei agora sobre as regras que incidem nos goleiros e na formação de uma equipe. (Fonte: http://www.ligahand.com.br/confe/regrasl.php)

Continuar lendo “Explorando Pedagogicamente as Regras do Handebol – A Equipe, o Goleiro e a Área do Goleiro”

Explorando Pedagogicamente as Regras do Handebol – Um Estudo sobre a Quadra de Jogo

Quais são as regras do handebol? Essa é a pergunta mais freqüente de muitos professores iniciantes na modalidade e às vezes, até mesmo, de professores experientes.

No entanto, buscar a simples explicação do que são as regras podem nos montar algumas armadilhas pedagógicas, pois podemos ficar presos às suas limitações impostas, e assim cairmos numa metodologia de ensino baseada nas regras e não no jogo, o que nos remete para o ensino única e exclusivamente do jogo de regras formais, mesmo num processo de iniciação.

Ora, mas não se faz necessário basearmos nas regras do jogo para podermos ensiná-lo? Claro que sim, porém, isso não pode limitar nossa ação pedagógica.

Então, trago um novo questionamento, que espero que venha a ser, a partir de agora, o questionamento a ser feito pelos professores de handebol: como explorar as regras da modalidade dentro de minhas aulas?

Inicio, com este artigo uma série de textos para discutir as regras e suas possibilidades para uma perspectiva pedagógica, iniciando a discussão sobre a quadra de handebol.

Continuar lendo “Explorando Pedagogicamente as Regras do Handebol – Um Estudo sobre a Quadra de Jogo”

Festivais de Handebol V – Festival de Mini-handebol

Finalizando a série de artigos que tratam do tema “Festivais de Handebol”, trago agora uma reflexão sobre a idéia de um festival de mini-handebol.

1. O Papel do Mini-handebol na Iniciação:

A discussão que contextualiza o mini-handebol na iniciação já foi primeiramente realizada no artigo publicado em 31 de Janeiro de 2008, intitulado Mini-jogo não é “só” brincadeira e nem “apenas” coisa de criança.

Resumidamente, o Mini-handebol deve ser, num processo de iniciação à modalidade apenas mais um jogo da família de Jogos de Bolas com as Mãos a fazer parte do processo pedagógico, evitando fazer do mini-handebol um fim do processo de ensino-aprendizagem, mas sim mais um meio que possibilite a aprendizagem da modalidade.

Continuar lendo “Festivais de Handebol V – Festival de Mini-handebol”

Festivais de Handebol IV – Festival de Jogos para Goleiros

Dando continuidade à discussão sobre a organização de festivais de handebol, dentro de uma perspectiva em que esses ambientes possibilitem a participação maciça dos alunos e também possibilitem um ambiente paradidático em relação ao desenvolvimento da inteligência de jogo dos alunos, este artigo focará agora sua atenção para a suposta terceira etapa de um processo de festivais. Esta etapa compreenderá o tema “Jogos para Goleiros”.

Continuar lendo “Festivais de Handebol IV – Festival de Jogos para Goleiros”

Festivais de Handebol III – Festival de Jogos Adaptados

Dando continuidade à discussão sobre a organização de festivais de handebol, dentro de uma perspectiva em que esses ambientes possibilitem a participação maciça dos alunos e também possibilitem um ambiente paradidático em relação ao desenvolvimento da inteligência de jogo dos alunos, este artigo focará agora sua atenção para a suposta terceira etapa de um processo de festivais. Esta etapa compreenderá o tema “Jogos Adaptados”.

Continuar lendo “Festivais de Handebol III – Festival de Jogos Adaptados”

Festivais de Handebol II – Festival de Jogos Coletivos Populares

Dando continuidade à discussão sobre a organização de festivais de handebol, dentro de uma perspectiva em que esses ambientes possibilitem a participação maciça dos alunos e também possibilitar um ambiente paradidático em relação ao desenvolvimento da inteligência de jogo dos alunos, este artigo focará agora sua atenção para a suposta primeira etapa de um processo de festivais que compreenderá o tema “Jogos Coletivos Populares”.

Continuar lendo “Festivais de Handebol II – Festival de Jogos Coletivos Populares”

Festivais de Handebol I – Proposta de Organização de Festivais

Inauguro com esse artigo uma série de discussões que estarei fazendo acerca do tema : “FESTIVAIS DE HANDEBOL”, focando os casos de eventos organizados para crianças com menos de 12 anos de idade (categorias menores que a mirim).

É praticamente consenso entre os professores da escolinhas dessas categorias que a competição formal deve ser colocada num segundo plano, devendo-se enfatizar a participação de todos como a principal preocupação desses festivais.

No entanto, muitas vezes há uma certa falta de informação sobre o significado desse “participar” proposto nesses festivais, criando um encontro de equipes que entram em quadra e disputam um torneio com tempo reduzido, em sistema mata-mata (ou mesmo em outros formatos de organização) enfatizando a forma jogada formal do jogo.

Ou seja, torna-se um campeonato de handebol com estrutura formal, com goleiros já definidos como goleiros, e até com algumas equipes já ensaiando algo semelhante a um engajamento, mas que fica apenas na semelhança organizacional, na maioria das vezes, uma vez que não há uma tática coletiva organizada.

E para que a participação de todos seja caracterizada, ao fim do longo dia de competições, cada um dos participantes ganha uma medalha, como se essas crianças não fossem capazes de compreender quem foi o verdadeiro campeão da competição, uma vez que mesmo que não haja tabelas fixadas, geralmente as proprias crianças acabam fazendo a contagem dos pontos, vitórias e derrotas.

Verifica-se, portanto, problemas entre discurso e prática, tais como: Continuar lendo “Festivais de Handebol I – Proposta de Organização de Festivais”