Plano de Aula: Ensinando a progressão sem bola e ocupação dos espaços vazios

Neste texto darei alguns exemplos de atividades voltadas para a iniciação à modalidade, em uma sessão de treino/aula. Sabemos que dependendo da idade essas atividades devem ser mais ou menos voltadas para o lúdico, com mais brincadeiras do que exercícios fechados. O importante nas atividades são os objetivos que devem estar voltados ao aprendizado de aspectos da lógica do handebol, como as infiltrações, a procura … Continuar lendo Plano de Aula: Ensinando a progressão sem bola e ocupação dos espaços vazios

Copa Petrobrás de Handebol Escolar

Caros amigos, Faço questão de divulgar para todos os professores de escolas que acessam o site Pedagogia do Handebol a iniciativa da Petrobrás junto à CBHb de organizar um torneio de handebol escolar de escala nacional. É a Copa Petrobrás de Handebol. Para maiores informações acesse: http://www.copapetrobrashandebol.com.br/ Abraços a todos, Continuar lendo Copa Petrobrás de Handebol Escolar

Como pensar a formação de um jogador de Handebol II – 10 a 12 anos

Na iniciação, aos 10/12 anos aproximadamente, dificilmente teremos a possibilidade de encontrar um grupo capaz de jogar o handebol de maneira elaborada, quase sempre se caracterizando como um grupo que se encontra numa fase de jogo anárquico (sobre o jogo elaborado e anárquico, clique aqui) – por suas questões físicas, cognitivas e por experiências anteriores já vividas em jogos coletivos e no próprio handebol de maneira mais específica.

Logo, o jogo, nessa etapa tem como característica a centração na bola, excesso de verbalização para pedir a bola, independente de o jogador que pede a bola esteja em boa ou ruim condição de jogo, e a visão do jogo centra-se na relação com a bola (características anárquicas).

Essa característica, ao longo do planejamento de ensino do handebol para esses alunos, deve ser superada, buscando que os alunos possam jogar o handebol de forma mais desenvolvida, ou seja, com maior organização espacial, mas ainda sem uma especialização em posições do jogo, que a verbalização diminua, mas que quando ocorrer, seja para uma boa resolução dos problemas do jogo, e que a visão do jogo passe a se descentrar da bola (característica de um jogo em fase de descentração),  seguindo, assim, as idéias apresentadas por Vygotski, sobre a Zona de Desenvolvimento Proximal (ZPD), havendo sempre estimulos para que os alunos superem seus conhecimentos atuais e adapetm-se a novas possibilidades de jogo. Continuar lendo “Como pensar a formação de um jogador de Handebol II – 10 a 12 anos”

Como pensar a formação de um jogador de Handebol – Disposições Preliminares

Parte fundamental desta série de artigos devo às contribuições feitas pelo Prof. Dr. Alcides José Scaglia para a área da pedagogia do esporte, em específico, a pedagogia do treinamento. Obrigado por compartilhar seus conhecimentos comigo!

Quando pensamos na formação de um atleta, em geral, pensamos de maneira bastante pontual, ou seja, no momento em que temos nosso aluno em mãos, porém, pouco se reflete em dois sentidos: o que ele já aprendeu sobre o esporte e, o que tenho que fazê-lo aprender nesse período para que ele tenha conteúdos bem assimilados sobre o esporte.

Essas questões nos remontam à necessidade de entender o processo de formação desse nosso aluno. O segredo está, portanto, na palavra processo.

Ao falarmos de um processo, falamos de uma organização feita, levando em consideração que algo será levado de uma condição para outra.

No caso da formação de jogadores (ou não de handebol) pode-se pensar no seu perfil de ingresso (entrada) e perfil de egresso (saída) desse aluno.

Dessa forma, deve-se considerar aquilo que ele possui de conhecimentos já adquiridos e pensar em como agregar novos possíveis à sua formação (como bem ressalta Jean Piaget) e também como adaptar seus possíveis às novas possibilidades presentes no jogo de handebol.

Logo, se há processo, há diferentes etapas e diferentes conteúdos a serem ensinados ao longo desse período.

Ao mesmo tempo, chega a ser utópico imaginar que seremos capazes de orientar toda a formação de um atleta de handebol em nossas mãos, surgindo o pensamento: “De que adianta eu me preocupar com a formação de meu aluno, fazendo todo trabalho adequado à sua boa formação como atleta, sendo que amanhã ele poderá ir para outro local e não sei se haverá essa preocupação nesse novo ambiente?”

Continuar lendo “Como pensar a formação de um jogador de Handebol – Disposições Preliminares”

Tudo a Ver com Handebol

Por Riller Reverdito

Universidade Adventista de São Paulo Campus Hortolândia/IASP

Faculdade Adventista de Educação Física

O brasileiro é reconhecido no mundo inteiro por diversas coisas, dentre as quais, pela sua ginga, pelo seu jeito moleque risonho e ‘menino maluquinho’ de ser criativo, como na obra do mineiro Ziraldo. Pela ginga poética de Carlos Drumond de Andrade. Na ginga crítica e irônica de Ariano Suassuna. Nas curvas livres de Oscar Niemeyer, em que, até mesmo o vento se esquiva. No andar da garota de Ipanema de Antonio Jobim e Vinícius de Moraes, cheio de balanço. Na Capoeira Angola, de ginga maliciosa do mestre Pastinha.

Mas, afinal, o que tem a ver o ensino do handebol com Ziraldo, Drumond de Andrade, Suassuna, Niemeayer, Antonio Jobim, Vinícius de Moraes e a capoeira maliciosa do Mestre Pastinha? Tudo! O jeito brasileiro de gingar. E não vejo o ensino do handebol diferente do jeito brasileiro de ser.

Continuar lendo “Tudo a Ver com Handebol”

E o Handebol na Escola?

Quando falamos em pedagogia do handebol pensamos em um contexto de aprendizado que ocorre em diversos locais como escola, escolinha de esportes, clubes, equipes de base. Porém, destes lugares o que mais atrai alunos que não conhecem a modalidade e que podem vir a ser ou não praticantes devido a experiência com este esporte é a escola.

Ela (a escola) hoje é um dos principais locais onde as crianças praticam esportes, seja no horário regular das aulas ou em equipes para torneios escolares. Neste aspecto um detalhe passa despercebido: Como o handebol está sendo ensinado dentro da educação física escolar?

Continuar lendo “E o Handebol na Escola?”

O Handebol Precisa Pular os Muros da Escola

Colaboração de Prof. Dr. Riller Silva Reverdito

Docente da Faculdade de Ciências da Saúde, curso de Educação Física, da Universidade do Estado de Mato Grosso (FACIS/UNEMAT).

Não é de hoje que escuto que o handebol é uma das modalidades mais práticas nas escolas. Confesso que por muito tempo estive convencido disso. E ainda hoje estou convencido que o handebol é uma das modalidades mais práticas nas escolas do Brasil.

Contudo, talvez de tanto me disserem isso, deixei de estar convencido para tentar desvendar um enigma: por que não encontro crianças jogando handebol nas ruas, praças, parques ou nos campinhos de terra batida construídos nos terrenos baldios dos grandes centros urbanos, sendo o handebol uma das modalidades mais práticas na escola?

Continuar lendo “O Handebol Precisa Pular os Muros da Escola”

HANDEBOL NA VEIA – Esporte e comunidade

Por Jorge Dofman Knijnik

Professor da School of Education, University of Western Sydney (NSW, Australia)

Você que está visitando este sítio, possivelmente já jogou handebol. Provavelmente, você conheceu um mínimo da modalidade enquanto estava na escola, e jogou handebol em aulas de Educação Física no ensino fundamental e médio. Talvez você tenha se engajado em equipes representativas da sua escola, e disputado competições intercolegiais – são dezenas, talvez centenas de competições, entre escolas do ensino oficial ou particular, algumas com nomes de patrocinadores, outras financiadas pela própria estrutura governamental – porém, todas com uma característica comum: centenas de equipes participam na modalidade, de diversas idades, de ambos os sexos.

Continuar lendo “HANDEBOL NA VEIA – Esporte e comunidade”

Também jogamos handebol!

Por Riller Reverdito

Universidade Adventista de São Paulo Campus Hortolândia/IASP

Faculdade Adventista de Educação Física

Há quem diz que no Brasil só se joga futebol. Como diria o professor Nicolau: ‘ledo engano’! Também jogamos handebol.

E pra sustentar essa afirmação, peço licença ao amigo leitor para fazer um relato e do relato uma homenagem e da homenagem uma  reflexão pedagógica.

Continuar lendo “Também jogamos handebol!”

Explorando Pedagogicamente as Regras do Handebol – O Manejo e o Deslocamento com a Bola

Uma das dúvidas mais freqüentes nos processos de ensino-aprendizagem do handebol está nas possibilidades de manejar a bola e deslocar-se com ela. Essa dúvida geralmente centra-se nas seguintes questões: “Quantos passos posso dar com a bola?”; “Quantas vezes posso ‘quicar a bola’ (driblar)”; “O que é ritmo trifásico”; “O que é duplo ritmo trifásico?”. A fim de solucionar parte dessas dúvidas, segue abaixo a descrição exata da regra oficial, que com certeza deixará algumas dúvidas, que podem ser esclarecidas com perguntas ao final da leitura na seção “comentários” logo abaixo do artigo.

Continuar lendo “Explorando Pedagogicamente as Regras do Handebol – O Manejo e o Deslocamento com a Bola”