Modelo Competitivo na Infância: A premiação aos artilheiros e possíveis impactos ao processo de aprendizagem do handebol.

 

A pedagogia do esporte tem discutido o papel do esporte para crianças e jovens, destacando, sobretudo, a necessidade de compreendermos que no processo de ensino-aprendizagem-treinamento as crianças não são adultas, reflexão que sugere a necessidade de ajustes deste processo, levando em consideração características, capacidades e interesses da criança e do jovem.

São muitos os fatores que interferem nestes ajustes necessários: maturidade emocional, capacidades físicas latentes, desenvolvimento, maturação, crescimento e conhecimento do jogo com base em diferentes níveis de relação com seus elementos (estruturais e funcionais) que impactam nas possibilidade de aprendizagem da criança, por exemplo (acredito, que em se tratando destes aspectos, este blog tenha muitas sugestões de como lidar com a criança iniciante no handebol).

Ainda há um agravante: crianças se desenvolvem em velocidades diferentes, podendo, numa mesma faixa etária, algumas crianças apresentarem maior destaque no seu rendimento momentâneo, diferença esta que ao longo do processo de desenvolvimento das crianças, pode ser minimizado.

Desta forma, são muitos os trabalhos que apresentam, por exemplo, ser esta faixa etária um momento de atenção com relação aos procedimentos de aprendizagem, alguns mais recentes, como trabalhos de Jean Cotê e colegas (2007) ao proprorem o Modelo de Participação Esportiva, bem como modelos mais antigos, como propostos por Bompa (2002), Greco e Matta (1996) – ver referências bibliográficas no fim do texto.

Porém, e a competição? Como nos comportamos quando elaboramos e oferecemos uma competição para crianças e jovens? É necessário realizamos adaptações e ajustes também neste cenário ou o modelo competitivo do adulto é bom o suficiente para aplicarmos com crianças, sobretudo até os 14 anos de idade (aproximadamente)? Continuar lendo “Modelo Competitivo na Infância: A premiação aos artilheiros e possíveis impactos ao processo de aprendizagem do handebol.”

Anúncios

Sugestões para o processo de formação de novos árbitros de handebol

Novos atores! É disso que sempre precisamos para que nossa modalidade sobreviva e permaneça sendo uma realidade.

Fala-se muito em formação de atletas, cursos de capacitação para treinadores e professores, mas e formação dos árbitros, fica como?

Assim como em todo processo de desenvolvimento, novos árbitros precisam de tempo para adquirirem “bagagem” para apitar. Não é assim também com um jovem treinador? E, com as crianças que iniciam na prática esportiva, isso também não acontece? Este é um grande desafio para Federações e Ligas.

A partir disso, alguns postulados são encarados como verdades quase que imutáveis frente ao processo de formação do jovem árbitro e quase sempre são adotadas pelas organizações responsáveis pelas competições de handebol para alavancar a carreira destes árbitros. Vamos discutir alguns deles: Continuar lendo “Sugestões para o processo de formação de novos árbitros de handebol”

Princípios Básicos para Competições de Base

Olá!

Este não será um artigo longo, tratarei nele apenas uma inquietação que tive agora a pouco, pensando “cá com meus botões”.

Quando falamos de competições de base, voltado para crianças em períodos da iniciação, temos que nos remeter a alguns cuidados, ou melhor, refletir sobre alguns vícios que trazemos conosco.

Um vício comum é pensar em competição apenas pelo viés do resultado de quadra. Ou seja, inscrevo minha equipe para vencer, e pensando nisso, farei o que for possível para conseguir a conquista. Um reflexo deste pensamento é inscrever 14 alunos/atletas, para uma competição, mas utilizar apenas 7 ou 8 desses alunos ao longo de todos os jogos. Isso está de acordo com o caráter formativo?

Outros vícios bastante comuns  são: (1) visando ensinar o handebol para as crianças, transformar o ambiente de jogo em um momento cercado de valores tradicionais, tais como a famosa preleção “motivacional” pré-jogo, (2) jogar estruturalmente e funcionalmente de acordo com o que aparenta existir nos modelos de alto rendimento, proporcionando uma dinâmica de jogo estereotipada do jogo do adulto, enfatizando, desde muito cedo especialidades para cada aluno, criando uma estrutura de jogo demasiadamente fixa e padronizada, (3) além de desenvolver uma dependência muito grande do professor, deixando o desenvolvimento da autonomia para tomar decisões na quadra, através de uma postura de professor “dono da verdade” que manipula seus “bonequinhos” como fazem os militares ao desenvolver táticas de guerra.

Vícios como esses devem ser definitivamente banidos do processo educacional. Não pode existir no ambiente competitivo de base. A final, quem é o protagonista deste momento? A equipe vitoriosa, apenas? O melhor professor, que comanda sua equipe de forma a levá-la à vitória? Ou o aluno, que tem que ter o direito de exercer sua função de protagonista, participando da competição?

Para isso, existem princípios que balizam a ação pedagógica de um “esporte para todos”, que podem muito bem ser transferidas para um ambiente competitivo de base, que deve ser extremamente pedagógico.

Para o professor João Batista Freire (@jbfreire), existem 4 princípios que devem balizar a ação educativa quando falamos do esporte, princípios estes balizadores de um projeto que considero pioneiro Continuar lendo “Princípios Básicos para Competições de Base”

OS FESTIVAIS DE MINI-HANDEBOL

Contribuição do professor Diego Melo de Abreu

INTRODUÇÃO

O mini-handebol é uma atividade que visa promover o desenvolvimento global das crianças, a construção do conhecimento e a formação do cidadão, através de atividades lúdicas desportivas, com ou sem bola.

A filosofia implícita nestas atividades, assim como sua aplicação e objetivos, não fica limitada somente à iniciação do desenvolvimento de técnicas relacionadas ao handebol, de modo que o professor deve proporcionar aos educandos novas experiências a todo instante.

As aulas são fundamentais para que as crianças tenham a oportunidade de vivenciar momentos prazerosos e ser influenciadas positivamente em sua formação geral, porém, a organização de atividades maiores fora do cotidiano tendem a otimizar a aplicação e os resultados dos pontos de desenvolvimento da filosofia do mini-handebol.

Um festival é um ótimo exemplo deste tipo de atividade, pois sua concepção pode ser geradora de situações extremamente ricas aos educandos devido ao contexto do evento. Continuar lendo “OS FESTIVAIS DE MINI-HANDEBOL”

Festivais de Handebol V – Festival de Mini-handebol

Finalizando a série de artigos que tratam do tema “Festivais de Handebol”, trago agora uma reflexão sobre a idéia de um festival de mini-handebol.

1. O Papel do Mini-handebol na Iniciação:

A discussão que contextualiza o mini-handebol na iniciação já foi primeiramente realizada no artigo publicado em 31 de Janeiro de 2008, intitulado Mini-jogo não é “só” brincadeira e nem “apenas” coisa de criança.

Resumidamente, o Mini-handebol deve ser, num processo de iniciação à modalidade apenas mais um jogo da família de Jogos de Bolas com as Mãos a fazer parte do processo pedagógico, evitando fazer do mini-handebol um fim do processo de ensino-aprendizagem, mas sim mais um meio que possibilite a aprendizagem da modalidade.

Continuar lendo “Festivais de Handebol V – Festival de Mini-handebol”

Festivais de Handebol IV – Festival de Jogos para Goleiros

Dando continuidade à discussão sobre a organização de festivais de handebol, dentro de uma perspectiva em que esses ambientes possibilitem a participação maciça dos alunos e também possibilitem um ambiente paradidático em relação ao desenvolvimento da inteligência de jogo dos alunos, este artigo focará agora sua atenção para a suposta terceira etapa de um processo de festivais. Esta etapa compreenderá o tema “Jogos para Goleiros”.

Continuar lendo “Festivais de Handebol IV – Festival de Jogos para Goleiros”

Festivais de Handebol III – Festival de Jogos Adaptados

Dando continuidade à discussão sobre a organização de festivais de handebol, dentro de uma perspectiva em que esses ambientes possibilitem a participação maciça dos alunos e também possibilitem um ambiente paradidático em relação ao desenvolvimento da inteligência de jogo dos alunos, este artigo focará agora sua atenção para a suposta terceira etapa de um processo de festivais. Esta etapa compreenderá o tema “Jogos Adaptados”.

Continuar lendo “Festivais de Handebol III – Festival de Jogos Adaptados”

Festivais de Handebol II – Festival de Jogos Coletivos Populares

Dando continuidade à discussão sobre a organização de festivais de handebol, dentro de uma perspectiva em que esses ambientes possibilitem a participação maciça dos alunos e também possibilitar um ambiente paradidático em relação ao desenvolvimento da inteligência de jogo dos alunos, este artigo focará agora sua atenção para a suposta primeira etapa de um processo de festivais que compreenderá o tema “Jogos Coletivos Populares”.

Continuar lendo “Festivais de Handebol II – Festival de Jogos Coletivos Populares”

Festivais de Handebol I – Proposta de Organização de Festivais

Inauguro com esse artigo uma série de discussões que estarei fazendo acerca do tema : “FESTIVAIS DE HANDEBOL”, focando os casos de eventos organizados para crianças com menos de 12 anos de idade (categorias menores que a mirim).

É praticamente consenso entre os professores da escolinhas dessas categorias que a competição formal deve ser colocada num segundo plano, devendo-se enfatizar a participação de todos como a principal preocupação desses festivais.

No entanto, muitas vezes há uma certa falta de informação sobre o significado desse “participar” proposto nesses festivais, criando um encontro de equipes que entram em quadra e disputam um torneio com tempo reduzido, em sistema mata-mata (ou mesmo em outros formatos de organização) enfatizando a forma jogada formal do jogo.

Ou seja, torna-se um campeonato de handebol com estrutura formal, com goleiros já definidos como goleiros, e até com algumas equipes já ensaiando algo semelhante a um engajamento, mas que fica apenas na semelhança organizacional, na maioria das vezes, uma vez que não há uma tática coletiva organizada.

E para que a participação de todos seja caracterizada, ao fim do longo dia de competições, cada um dos participantes ganha uma medalha, como se essas crianças não fossem capazes de compreender quem foi o verdadeiro campeão da competição, uma vez que mesmo que não haja tabelas fixadas, geralmente as proprias crianças acabam fazendo a contagem dos pontos, vitórias e derrotas.

Verifica-se, portanto, problemas entre discurso e prática, tais como: Continuar lendo “Festivais de Handebol I – Proposta de Organização de Festivais”