Cativar o aluno a ficar no Handebol: Sensibilidade Pedagógica

Para ensinar handebol, existem métodos variados e procedimentos pedagógicos das mais diversas naturezas.

Porém, quando um aluno chega para fazer sua primeira aula de handebol, dentro de nossa cultura esportiva, ele geralmente chega “zerado”, sem saber o que se pode e o que não se pode fazer.
Nossa tendência é falar sobre as regras, ensinar aspectos técnicos básicos como passe, arremesso, drible, ritmo trifásico e etc..

Handebol, sem dúvidas, tem tudo isso, mas ensinar e cobrar a “execução correta” destes aspectos técnicos logo no início pode ser frustrante.
Imaginem a seguinte situação:

Seu aluno recebe a bola e a quica duas ou três vezes, em seguida a segura para ultrapassar um coleguinha adversário que está na frente dele dando mais de três passos e depois ele volta a quicar a bola. Por regra, ele primeiro andou, por dar mais de três passos segurando a bola, e depois realizou duas saídas, por ter voltado a quicar a bola depois de já a ter quicado e segurado. Ou seja, a tendência seria puni-lo com a perda da posse de bola.

Imagine agora que isso aconteça repetidamente em sua aula e, em todo momento, seu aluno que estava com a bola (o objeto mais desejado do jogo) perde sua posse porque errou.

Eu digo que as chances deste aluno ficar em sua aula é praticamente nenhuma.
É necessário, quando falamos de iniciação (independente da idade do praticante), que ele se sinta à vontade jogando, que se divirta e se alegre com a oportunidade de jogar handebol.

Seguindo o exemplo anterior, sabe como eu agiria? Deixaria o aluno fazer tudo aquilo fazendo o jogo prosseguir normalmente. Depois do lance ter terminado, conversaria com ele sobre o que ele fez e que não pode ser feito no jogo de handebol. Faria isso repetidas vezes, sem desânimo, até que ele entendesse e passasse a ser seu próprio regulador, pois naturalmente ele perceberá se acertou ou errou e nós percebemos claramente isso em suas condutas, e, somente, após este estágio de aprendizado estar consolidado, eu passaria a apitar seus erros técnicos.

Cativar o aluno por meio de ações sensíveis pode fazer toda a diferença para o crescimento do handebol.

3 comentários sobre “Cativar o aluno a ficar no Handebol: Sensibilidade Pedagógica

  1. Boa noite grupo.

    Mais uma vez compartilho dos ensinamentos do grande mestre Lucas Leonardo, muito obrigado professor.
    Com meus alunos iniciantes sempre começo estimulando-os e os incentivando, lembramdo que as regras oficiais e os fundamentos perfeitos tecnicamente, nao sao os mais importantes no início.
    Fazer com que os alunos pratiquem de forma efetiva e tomem gosto pela modalidade é algo imprescindível para a continuidade nas aulas.
    De acordo Santana (2004), no qual parafraseou João Batista Freire (2003), ” Ensinar esporte a todos, ensinar esporte bem a todos, ensinar mais que esporte a todos e, por fim, ENSINAR A GOSTAR DE ESPORTE, ou seja , antes de aprender os fundamentos e ações táticas do handebol, o iniciante precisa sentir prazer com a prática da modalidade.
    Da mesma forma, devemos levar esses ensinamentos de hoje para a educação física escolar, pois, o aluno participará da aulas se o professor ensiná-los a gostar dessa importante área do conhecimento.

  2. Eu conquistei toda uma equipe colocando-nos para jogar no primeiro dia, e ao longo do jogo colocava os fundamentos explicando o porquê que eles são tão importantes, não sei se foi o jeito correto, mas deu certo ao ponto de eles mesmo pedirem para que fosse ensinado técnicas, por técnicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s