Bases de Ataque no Handebol – Propostas voltadas para o processo da iniciação e aperfeiçoamento

Conceito:

Ouvi pela primeira vez o termo “base de ataque” em minha pós-graduação, numa aula ministrada pela Professora Rita Orsi em que estávamos discutindo os meios táticos ofensivos e defensivos do handebol.

Ao ouvir este termo, consegui, pela primeira vez, conceituar algo que tinha muita dificuldade de fazer: sempre tive por princípio, a partir de um determinado momento do processo de ensino-aprendizagem, o ensino do que chamava ser “jogadas que não sejam estruturalmente fechadas”. Isso significa na prática a organização de uma sequência de movimentações encadeadas que possibilitem o surgimento de erros defensivos, porém, possibilitando ao atleta a tomada de decisão perante as circunstâncias do jogo.

Ao ouvir o termo “base de ataque”, consegui, finalmente, conceituar esta longa explicação acima descrita.

Logo, resumindo:

A base de ataque é um conjunto de referências que orientam ações encadeadas pelos atacantes de forma a possibilitar vantagem para a tomada de decisão frente as circusntâncias do jogo. É o que possibilita que todos falem a mesma “língua” num dado momento de organização ofensiva.

Elementos técnico-táticos do jogo que precisam estar bem assimilados antes do ensino de bases de ataque:

Ensinar bases de ataque, principalmente no tocante à iniciação ao handebol, deve respeitar uma séria de conceitos já assimilados fora do jogo (de forma circunstancial/declarativo) e dentro do jogo (de forma circunscrita/processual).

Ou seja, definir referências que orientem uma base de ataque não é algo que deve ser simplesmente jogado para uma equipe. Cada base de ataque necessitará de elementos técnicos e táticos específicos, porém, pensando o básico, alguns elementos devem estar bem sedimentados dentro do processo de ensino-aprendizagem:

Passar com segurança e eficiência – deixar a bola cair, passar nas costas do jogador que está se movimentando, passar alto demais ou baixo de mais são indícios de que ainda não é o momento de se inserir dentro do planejamento o ensino de bases de ataque. Os jogadores devem ser seguros na execução dos passes e na sua recepção. Devem dominar este conteúdo com excelente grau de competência. Isso já é possível em idades menores, como na categoria mirim, uma vez que passar receber, nestas idades é um recurso e tanto a ser trabalhado através de brincadeiras, jogos e desenvolvimento de situações específicas de aprendizagem deste importante elemento técnico-tático de grupo. Inserir regras que dêem desvantagem no caso da bola cair, por exemplo, é um bom recurso pedagógico para que haja, na ação de passar a bola, muita atenção de quem a realiza. Assim, aprende-se a passar com responsabilidade e segurança.

Orientar-se sempre em direção ao gol adversário – nenhuma base de ataque existe com intuito de afastar a bola do gol adversário. Logo, ter o domínio espacial relacionado a orientar-se com a bola e principalmente antes de receber a bola em direção ao alvo adversário é um elemento muito importante para que as bases de ataque sejam ensinadas. Desde o período em que se exploram a marcação individual e suas variações até mesmo no processo do ensino do ataque zonal isso deve ser enfatizado. Desde o goleiro, até o jogador das extremidades (pontas) devem, a todo o momento buscar o alvo adversário. Somente com este aspecto competentemente dominado é que as bases de ataque podem ser inseridas no planejamento.

Saber reconhecer vantagem numérica momentânea – uma base de ataque sempre terá como conceito básico a conquista de superioridade numérica momentânea, caso contrário, ela não tem função efetiva. Logo, nossos alunos devem conhecer e saber tirar proveito da superioridade numérica desde elementos de jogo muito simples como do 2×1, até situações mais complexas e completas, como o 7×7. Logicamente, que em se tratando do processo de iniciação, o reconhecimento da vantagem numérica em situação simplificadas, originadas do 2×2 já podem garantir o início da aprendizagem de bases de ataque e, quanto mais o aluno aprende, mais sofisticadas e complexas podem ser as referências dessas bases de ataque.

Antes que estes 3 elementos técnico-táticos do jogo estejam bem ensinados, assimilados e aplicados é bastante arriscado ensinar-se bases de ataque.

Para ilustrar o que é uma base de ataque e suas referências, segue abaixo uma sequencia de uma base de ataque bastante simples, muito útil e que deve fazer parte de todo currículo de formação de atletas de handebol.

Falaremos nos próximos artigos sobre uma série de bases de ataque que podem ser ensinadas ao seu devido tempo já nas categorias mirim, infantil e cadete.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s