Festivais de Handebol V – Festival de Mini-handebol

Finalizando a série de artigos que tratam do tema “Festivais de Handebol”, trago agora uma reflexão sobre a idéia de um festival de mini-handebol.

1. O Papel do Mini-handebol na Iniciação:

A discussão que contextualiza o mini-handebol na iniciação já foi primeiramente realizada no artigo publicado em 31 de Janeiro de 2008, intitulado Mini-jogo não é “só” brincadeira e nem “apenas” coisa de criança.

Resumidamente, o Mini-handebol deve ser, num processo de iniciação à modalidade apenas mais um jogo da família de Jogos de Bolas com as Mãos a fazer parte do processo pedagógico, evitando fazer do mini-handebol um fim do processo de ensino-aprendizagem, mas sim mais um meio que possibilite a aprendizagem da modalidade.

Logo, mini-handebol não é um objetivo da pedagogia do handebol, mas mais uma possibilidade de abordagem da modalidade, construída sob uma lógica que traga espaços reduzidos, regras adaptadas, menor número de jogadores e maior participação.

2. Organização do Festival

2.1 Os Gols

A organização do festival, tendo como estrutura espacial a divisão de quadras proposta no 1º artigo dessa série, remete-nos a outro problema – necessidade de haver 8 gols para a realização do festival.

Isso pode ser resolvido de várias formas:

  1. Usar um gol reduzido, marcado por cones e com uma corda bem presa na parte superior dos cones, criando um golzinho em que valerá apenas gols arremessados pra baixo, estimulando ao goleiro usar os membros inferiores para defender a meta; e
  2. Criar mini gols com canos de PVC, por exemplo, criando uma estrutura montável, bastante interessante se pensarmos que se torna um material de fácil transporte, e sendo também um gol menor, facilita a eficácia de defesa dos goleiros, tornando o jogo mais difícil, além de estimular os goleiros a atuarem.

Essas são duas idéias possíveis, que podem ser melhoradas dependendo de nossa criatividade, como professores.

2.2 A quadra

Mini-handebol compreende a utilização de um espaço menor. Iremos utilizar a proposta de divisão das quadras já demonstrada a cima.

A questão inerente à marcação das áreas, por exemplo, pode ser solucionada com a utilização de fitas adesivas de fácil remoção após a realização do festival, tal como fita crepe e sem problemas, podem ser utilizadas áreas retas, tal qual ocorre no Handebol de Areia (Figura 1), porém, delimitando também uma área de faltas, análoga à linha tracejada de 9 metros da quadra oficial (Figura 2).

Figura 1. Quadra de Handebol de Areia – Observar as áreas retas: possibilidade para o mini-handebol (Fonte: http://www.handbonline.blogger.com.br)

Figura 2. Proposta de quadra possível para o mini-handebol

2.3 As regras

A adaptação de regras é imprescindível!

  1. Com relação ao número de participantes, havendo uma redução do número de jogadores para 3+1 ou 4+1 (onde o “+1” é o goleiro);
  2. Proporcionar o rodízio constante entre os goleiros, já que é um jogo que visa a participação de todos nas mais variadas situações que o jogo pode proporcionar;
  3. Incluir a regra na qual, caso os goleiros façam gol jogando na linha (fora do gol), este pode valer 2 – estimular a compreensão de que o goleiro pode jogar normalmente na linha, com a mesma liberdade dos outros jogadores (bastante diferente das atuais regras do futsal, por exemplo);
  4. Outras adaptações.

3. Conclusões:

Espero ter podido ilustrar a todos o quanto um ambiente de festivais pode ser diversificado daquele que tradicionalmente realizamos, tornando-se mais do que um ambiente de mera reprodução do jogo formal, mas tornando o espaço um ambiente que some ao processo pedagógico, tendo no jogo o elemento central de organização dos festivais, estimulando a cognição em atividades que por serem desafiadoras, tragam inúmeros problemas a serem desvendados através do mergulho no lúdico – o mundo do jogo.

Artigos Relacionados:

  1. Mini-jogo não é “só” brincadeira e nem “apenas” coisa de criança
  2. Festivais de Handebol I – Proposta de Organização de Festivais
  3. Festivais de Handebol II – Festival de Jogos Coletivos Populares
  4. Festivais de Handebol III – Festival de Jogos Adaptados
  5. Festivais de Handebol IV – Festival de Jogos para Goleiros
Anúncios

8 comentários sobre “Festivais de Handebol V – Festival de Mini-handebol

  1. Olá Enos,

    Por ser um jogo de regras, com características coletívas muito marcantes, qualuqer manifestação esportiva coletiva (como o handebol, futebol, basquete e também o minihandebol) devem começar a ser encinados a partir de 7, 8 e 9 anos (essa é uma fase de transição de desenvolvimento cognitivo muito marcante e algumas crianças são mais ou menos precoces a esse processo de desenvolvimento).

    Definida a idade, torna-se importante que o ensino do minihandebol tenha como filosofia balisadora a utilização dos conceitos de JOGO, desafios e decentração do ensino pela técnica.

    A melhor forma de aprender o jogo é jogando, mas nao somente o minihandebol, mas sim váriadas manifesatções de jogos de bola em grupo.

    Abraços,

  2. esse site é muito bom pq tem muita coisa iinteressante sobre o handebol e eu gosto muito de handebol e ele também faz muito bem para a saúde e para o corpo e para o espírito e também eu queria aproveitar a poportunidade para agradecer pelo o site que está me deixando mais informada sobre esse assunto.
    obrigada mais uma vez!

  3. Sou professora de ed . fisica e gostei muito das ideias que o site me proporcionou parabens, se tiver como mandar outras ideias para meu Emaileu agradeço beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s