Sensibilização ao conceito tático da finta e ocupação de espaços vazios para a iniciação do Handebol (até 12 anos) – 1

Visando dar continuidade ao artigo anterior, em que foi tratado o conceito da finta-tática tendo como base o reconhecimento dos espaços vazios defensivos, segue agora um exemplo de atividade que deve ser aplicada até os 12 anos de idade (mas que pode ser aplicada também em idades maiores) que pode estimular a aprendizagem simultânea dos meios táticos individuais ocupação de espaços vazios e finta, tão importantes para a iniciação ao handebol.

Mamãe da Rua com 3 pegadores e facilitação da observação dos espaços vazios:

Acredito que todos conheçam a brincadeira conhecida como mamãe da rua, dono da rua e que ainda pode ser conhecido por outros nomes.

Esta brincadeira popular pode ser levada ao ambiente de aprendizagem do handebol, principalmente quando se tem o objetivo e ensinar a ocupação dos espaços vazios e a possibilidade de execução da finta-tática.

Através de pequenas adaptações deste jogo, é possível potencializar a aprendizagem desses aspectos do jogo.

Abaixo, breve descrição da atividade:

Objetivo do Jogo:

Os pedestres (fugitivos) deverão atravessar uma região (rua) que é protegida por um ou mais jogadores (os pegadores ou donos da rua), saindo de um lado (calçada) para o outro lado da rua (outra calçada), lugares em que os pedestres estão salvos.

Regras Básicas:

Todos os pedestres devem receber dois barbantes ou coletes que devem ser presos  lateralmente em seus shorts e bermudas, assemelhando-se a dois rabinhos que são utilizados em brincadeiras como o pega-rabo.

O dono da rua deverá tentar retirar um dos barbantes ou coletes dos pedestres. Caso consiga, ele deixa a rua e vira pedestre, e o pedestre vira dono da rua, entregando seu outro barbante a quem ao então pegador.

Todos devem tentar atravessar a rua ao mesmo tempo, ao sinal do professor, não valendo retornar para a calçada em que estavam.

Considerações pedagógicas:

Esta é a matriz básica do jogo. Observa-se que nesta adaptação não basta o dono da rua pegar o pedestre, mas sim retirar um de seus barbantes, fator de facilita a chance de o pedestre conseguir, mesmo depois de tocado, ultrapassar o dono da rua com movimentos de quadril, pernas e tentando enganar o pegador.

Jogado assim, o jogo já traz consigo o elemento básico da finta-tática. O pedestre tentará aproveitar os espaços que sobram na rua para ultrapassar de uma calçada para a outra e, em caso de ser obstruído pelo dono da rua, tentará fintá-lo. Assim, prevalece a regra de tentar passar a rua pelos espaços vazios, sendo a finta, uma emergência desta ação.

O jogo pode ser realizado de várias formas: cada um com uma bola driblando-a, com mais de um pegador e assim por diante.

Porém, pensando na aproximação ao jogo de handebol e nas possibilidades de manipular as variáveis do jogo de forma que todos os alunos possam ser avaliados quanto à sua tomada de decisão frente aos problemas do jogo, sugiro a seguinte variação do jogo, descrita a seguir:

Utilizando-se da quadra de voleibol como terreno de jogo, coloca-se três pegadores, dois responsáveis pela proteção daquilo o que seria o fundo da quadra de vôlei (limitada pela linha de fundo e linha de 3 metros da quadra) e um seria o responsável pelo centro da quadra (região entre as duas linhas dos 3 metros), com os pedestres divididos em trios, ficando 2 na mesma calçada e um na calçada do outro lado da rua com uma bola nas mãos, conforme a figura no fim do artigo.Observe que existe uma linha que atravessa todo o comprimento da quadra, dividindo-a em duas metades (essa linha pode ser traçada com fita zebrada presa nas extremidades com fita crepe, giz ou uma corda bem fina), sendo que o pegador, antes do sinal do professor não poderá adiantar-se  à frente desta linha.

Ao sinal do professor, três situações ocorrerão quase que simultaneamente:

  1. Os donos da rua deverão deslocar-se e bater as mãos em uma das linhas que limita sua região de jogo, à esquerda ou à direita (no caso dos pegadores que estão no fundo da quadra de vôlei, eles deverão bater as mãos ou na linha de fundo, ou na linha de 3 metros, e o pegador do centro deverá optar por bater a mão ou na linha de três metros de sua esquerda ou da direita);
  2. Os pedestres sem bola deverá observar para qual lado o pegador se desloca e tomar a decisão sobre que lado deverá correr (o lado em que o pegador correu ou o lado em que o pegador deixou livre);
  3. O jogador com a bola deverá passá-la para seu companheiro que busca a melhor decisão, para que ele a receba antes da metade da quadra, pois o pedestre só poderá atravessar a rua com a posse da bola (não vale driblar a bola nesta atividade), caso contrário, troca de lugar com o pegador.

Essas três ações transformam a brincadeira em um jogo de muitas tomadas de decisão simultâneas: De que lado eu devo correr? Quando e como devo passar a bola? E se o pegador conseguir se colocar à minha frente, o que devo fazer?

Neste jogo a possibilidade da finta surgir como emergência de uma ação mais complexa (o contexto do jogo) é muito recorrente e possível, e estará contextualizada com algo muito semelhante ao que ocorre num jogo de handebol.

Para controlar a dificuldade do jogo pode-se aproximar ou distanciar a linha que divide a quadra ao meio, sendo que quanto mais próxima a linha estiver do lado em que está o jogador sem bola, mais fácil será atravessar a rua e quanto mais distante estiver a linha, mais difícil será ocupar um espaço vazio sem que o pegador consiga recuperar-se e marcar o pedestre. Cabe ao professor avaliar em que momento controlar esta variável do jogo.

Abaixo, tento traduzir essas regras em um esquema com figuras que mostram todas as possibilidades de respostas que o jogo oferece (clique na imagem para ampliá-la).

 

Figura 1. Etapas do Jogo que poderá ensinar o conceito da finta-tática.

E então? Dá ou não dá pra ensinar a fintar-taticamente com um joguinho como este?

Basta, para isso, conhecer o jogo de handebol e saber como condicionar o jogo aos seus objetivos de ensino.

Até o próximo artigo, com mais um jogo para a aprendizagem da finta e da ocupação de espaços vazios.

About these ads

2 thoughts on “Sensibilização ao conceito tático da finta e ocupação de espaços vazios para a iniciação do Handebol (até 12 anos) – 1

  1. eu queria tudo que vcs pudessem me passar sobre handebol, desde atividades p desenvolver fundamentos ate taticas de jogo!!
    bjus
    obg
    achei o trabalho de vcs muito legal!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s