logo_usp

Pedagogia do Handebol na USP

  Convidado pelo Prof. Ms. Diogo Castro, o Prof. Lucas Leonardo estará na próxima quarta-feira, dia 02/09, na EFEE/USP, na cidade de São Paulo, para discussão sobre aspectos pedagógicos do handebol. À pedido do grupo de estudos, o foco da conversa estará atrelado à utilização de regulamentos adaptados em categorias menores, buscando definir algumas ideias acerca deste recurso amplamente utilizados por Ligas, pela Federação Paulista … Continuar lendo Pedagogia do Handebol na USP

Handebol não é basquete com gol: Aprendendo o ritmo trifásico

Apesar de ser bastante ilustrativa a comparação entre handebol e basquete (uso habitualmente este recurso para introduzir o handebol aos iniciantes) pelo fato de ambos os esportes possuírem muitas semelhanças funcionais, existem entre eles muitas diferenças do ponto de vista regulamentar que influênciam diretamente nas ações táticas individuais, como o deslocamento com a bola durante o jogo, por exemplo.

Deslocar-se com a bola nas duas modalidades pode ser operacionalizado por meio do quique da bola, mas a semelhança termina por aí. Continuar lendo “Handebol não é basquete com gol: Aprendendo o ritmo trifásico”

A Gestão de Talentos Desportivos

Por: António Cunha – Coordenador do Gabinete de Andebol e Docente da
Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade do Porto.

O Andebol está entre as modalidades desportivas que desde sua criação em meados de 1915 tem vindo a evoluir de forma espectacular, pelo que surgem todos os dias problemas sérios que…obrigatoriamente é necessário debater, desde logo, os que se colocam relativamente aos talentos desportivos sem os quais a modalidade jamais poderá evoluir. Um talento desportivo cada vez menos nasce de um processo de geração espontânea, pelo que se o Andebol quiser continuar na senda do sucesso que o caracterizou nos últimos anos, tem de ter uma estratégia no que diz respeito à gestão de talentos. 
Continuar lendo “A Gestão de Talentos Desportivos”

Pra que serve a linha tracejada no Handebol?

euLucas Leonardo é o coordenador do site http://www.pedagogiadohandebol.com.br e atua como consultor pedagógico de projetos esportivos em clubes, associações e prefeituras.

É bastante comum que seja feita a associação da “linha pontilhada” (que na realidade é tracejada) com o handebol, afinal, esta é uma das marcações que diferenciam a quadra de handebol da de futsal (existem outras particularidades da quadra de handebol como a ausência do círculo central e das linhas do escanteio, a existência das linhas de sete metros e a de quatro metros que é específica para os goleiros e também uma linha que delimita a área de substituição específica).

Muito bem, mas pra que serve esta linha em termos de regra e como compreendê-la em termos pedagógicos?

De acordo com a regra 1:5 Continuar lendo “Pra que serve a linha tracejada no Handebol?”

O handebol brasileiro precisa reconhecer seus ídolos

euLucas Leonardo é o coordenador do site http://www.pedagogiadohandebol.com.br e atua como consultor pedagógico de projetos esportivos em clubes, associações e prefeituras.

Para existir handebol de base, precisamos de algo fundamental: crianças querendo aprender handebol. Nunca haverá renovação sem isso.

Todo o resto: professores, competições, árbitros, clubes e associações do handebol só existirão se houver quem queira jogar handebol. Mas, o que é o tal do handebol?

Continuar lendo “O handebol brasileiro precisa reconhecer seus ídolos”

Avaliando no Handebol: Em que nível de aprendizagem seus atletas e seu grupo se encontram?

euLucas Leonardo é o coordenador do site http://www.pedagogiadohandebol.com.br e atua como consultor pedagógico de projetos esportivos em clubes, associações e prefeituras.

Um dos princípios básicos de qualquer organização curricular é a adequação dos conteúdos/matérias com o atual momento de aprendizagem e os potenciais a serem atingidos pelos alunos. No ensino do handebol de base isso não pode ser diferente. Compreender que o handebol é uma construção processual com etapas de aprendizagem e que para cada uma delas há a necessidade de construir um handebol possível de ser aprendido é essencial. Uma das formas de conhecer o que trabalhar é saber avaliar. E, avaliar, sempre é uma grande dificuldade, afinal, o que avaliar? Como avaliar? Continuar lendo “Avaliando no Handebol: Em que nível de aprendizagem seus atletas e seu grupo se encontram?”

As Referências Funcionais Defensivas: Recuperando a Bola

Em poucos esportes, defender pode ser tão atraente como no handebol.

Dentro do funcionamento do jogo defensivo, autores como Teodorescu (1984) e Bayer (1992) apresentam a ideia de que todo esporte coletivo apresenta três ações defensivas básicas:

  1. Proteger o alvo;
  2. Impedir a progressão adversária; e
  3. Recuperar a posse de bola.

Estas três referências ou princípios, regulam o funcionamento de qualquer estrutura defensiva e toda ação individual ou coletiva do ato de defender

Tipicamente, no ensino do handebol, o olhar sobre o alto-rendimento esconde aspectos que transformam o handebol ensinado a iniciantes num jogo muito estereotipado, fazendo com que estas três funções defensivas sejam minimizadas a apenas uma: proteger o alvo.

Esse tipo de conduta transforma um jogo que possui formas de defender potencialmente agradáveis aos iniciantes num verdadeiro martírio. Fica chato defender. Continuar lendo “As Referências Funcionais Defensivas: Recuperando a Bola”

Recomendação de Leitura – Esporte Educacional

Na obra, “Ensinar Esportes, Ensinando a Viver”, o Prof. João Batista Freire nos premia com um livro que conta um pouco sobre o seu início como professor de atletismo em São Bernardo do Campo, na década de 1970, em plena Ditadura Militar brasileira. No livro, João mostra como que ali surgia a base de seus princípios pedagógicos (ensinar esportes a todos, ensinar bem esporte a … Continuar lendo Recomendação de Leitura – Esporte Educacional

Regras Adaptadas na Iniciação: Goleiro-Linha x Defesa Individual

Publicado originalmente em Handebol para todos!:
Acompanhando e participando de algumas competições de base, observo com frequência a utilização de regras adaptadas voltadas para a iniciação (categorias mirim e infantil, principalmente), tendo como justificativa garantir uma jogabilidade que esteja adaptada à faixa etária, período de aprendizagem e desenvolvimento motor e antropométrico da criançada. Fui um dos grandes defensores deste olhar, mas o que observamos é… Continuar lendo Regras Adaptadas na Iniciação: Goleiro-Linha x Defesa Individual